IA – Inteligência Artificial na prática médica

Antes de falarmos aqui sobre a IA – Inteligência Artificial na prática médica, precisamos trazer para você o conceito AI.
A AI Trends define Inteligência Artificial como um conjunto de métodos, algoritmos e tecnologias que fazem um software adotar ações que se comparam com a inteligência humana. É uma forma de implementar em um software o melhor da tomada de decisão e dos processos criativos humanos.

A Inteligência Artificial já está presente no dia a dia da prática médica, em hospitais, clínicas e centros de pesquisa, abaixo trazemos para você as principais tendências.

• Identificação e análise de tumores
Um exemplo bastante conhecido de utilização da Inteligência Artificial na inovação do atendimento médico é o projeto InnerEye. A gigante Microsoft aprimorou um conceito já utilizado no Xbox’s Kinect para ajudar oncologistas e radiologistas na identificação e na análise de tumores. O projeto consiste em uma máquina que faz o delineamento automático de tumores e de anatomia saudável em imagens radiológicas em 3D. Os resultados dessa análise são:
A compreensão das medidas radiométricas;
O planejamento da radioterapia;
O planejamento preciso do procedimento cirúrgico mais adequado.

• Assistente inteligente, atenta e divertida
A gigante Amazon está em constante inovação de seus produtos e de suas áreas de atuação. Seu próximo alvo é o setor de cuidados com a saúde a domicílio. Muitos já conhecem a assistente inteligente Alexa, que conta com mais de 15 mil funcionalidades executadas a partir do comando de voz. A assistente trabalha como uma “faz tudo” em termos de pesquisa. Você pede uma música, uma notícia ou uma informação específica e ela entrega rapidamente.
A Alexa, agora, é a cuidadora mais atenciosa do hospital Cedars-Sinai Medical Center, em Los Angeles. Dispositivos do modelo Alexa Echo serão instalados em 100 quartos da instituição. As principais contribuições do software para o cuidado ao paciente são:
Atenção em tempo integral às necessidades do paciente e alerta automatizado aos profissionais.
A Alexa é capaz de categorizar os alertas e direcioná-los aos profissionais capazes de atender ao chamado.
A Alexa é uma assistente virtual, cujas funções nativas são dar auxílio ao dia a dia dos usuários. Por isso, essas funções de pesquisa, notícias e, até mesmo, leitura de ebooks, são mantidas na versão para hospitais. Percebeu como a tecnologia, além de otimizar a gestão, humaniza o atendimento?

• Agulha inteligente para administração de medicamentos
Você já viu algum colega tremer na hora de puncionar um paciente agitado? A aplicação de medicamentos injetáveis e a punção para coleta de sangue são procedimentos delicados. Por isso, fica até difícil de imaginar uma agulha inteligente que pode guiar o profissional na hora de “pegar uma veia”. Mas ela já existe e está passando pelos últimos testes em modelos animais.
O dispositivo i2T2 foi desenvolvido por pesquisadores do Brigham and Women’s Hospital, na cidade de Boston, nos Estados Unidos. Consiste em uma agulha hipodérmica padrão, com um sensor capaz de detectar mudanças na pressão aplicada. Como cada tecido possui uma densidade diferente, o dispositivo evita que a agulha fique posicionada antes (ou depois) da área alvo.

Todas essas inovações são possíveis com base na produção de dados em saúde. A inteligência dos softwares copia os comportamentos humanos com base nas informações inseridas na programação. Logo, sem dados não há inteligência