Como melhorar a saúde mental nos dias atuais?

Quantas vezes ouvimos sobre a importância de cuidar da saúde mental? 

Desde que estresse, esgotamento e cansaço mental, depressão e ansiedade, dentre outras, ganharam mais atenção e status de doenças do mundo moderno, existe essa preocupação de conscientizar sobre a gravidade desses problemas e sobre a necessidade de tratamento. 

Sobre o termo  “mundo moderno” nos referimos, sobretudo, ao século 21, em que houve uma disruptura em relação ao nosso modo de vida, de forma geral. Transformações significativas marcaram esse período, como globalização, novos meios de comunicação e um grande salto tecnológico. 

Para entender melhor, criamos este artigo com uma abordagem simples, sobre a importância de buscar ajuda e a importância de os médicos estarem preparados para essa demanda. 

Continue a leitura!

Saúde mental e as doenças do século 21

Conforme contamos acima, a vida da população mudou radicalmente, sobretudo, nas últimas duas décadas. 

As mudanças pelas quais o mundo passou imprimiram um ritmo mais acelerado ao dia a dia de todo mundo, nas relações de trabalho, principalmente. 

Dessa forma, as preocupações com a carreira, os maus hábitos alimentares, a falta de exercícios e lazer, dentre outros aspectos, desencadearam condições psicológicas e emocionais que começaram a comprometer a saúde mental da população. 

Não bastasse isso, no início de 2020 uma situação que até podemos definir como disruptiva, pois nos fez mudar totalmente nosso modo de vida: a pandemia da Covid-19. 

Aproximação, abraços, reuniões de amigos, de lazer, entretenimento e diversão não foi mais possível. O trabalho foi para nossa casa. Precisamos fazer isolamento social, ficamos em quarentena e muitos locais fizeram lockdown (parar tudo). 

O resultado disso foi um crescimento exponencial nas doenças relacionadas ao nosso estado emocional e mental. Isso continua sendo um problema e um desafio a ser superado, ou pelo menos diminuído, pois a situação ainda é de incertezas e instabilidade em relação à pandemia. E a demora para voltar “à vida normal” preocupa, angustia e estressa ainda mais. 

Doenças que afetam a saúde mental

Dentre as doenças consideradas os males do século 21, estão:

  • Síndrome de Burnout: causada pelo esgotamento mental do trabalhador, principalmente por causa da pressão e do excesso de cobranças e condições desgastantes de trabalho. 
  • Depressão: esta é uma condição psiquiátrica cujos principais sintomas são as oscilações de humor, falta de ânimo, tristeza profunda, perda de interesse em atividades cotidianas, baixa autoestima, dentre outros. A depressão pode, inclusive, levar a pensamentos suicidas, daí sua gravidade. 
  • Ansiedade: a ansiedade apresenta sintomas como sensação de medo, angústia, apreensão, incapacidade de relaxar, dificuldade de concentração, dentre outros. Este transtorno também causa sintomas físicos como falta de ar, náuseas, calafrios, sudorese e outros. 
  • Síndrome do pânico: esta condição faz parte do grupo que causa excesso de ansiedade e é considerada um transtorno fóbico. Os sintomas das crises de pânico envolvem tremores, falta de ar, desconforto abdominal, suor excessivo e outros sintomas físicos. 
  • Obesidade: uma vida atribulada no campo profissional, falta de tempo para atividades de lazer, deslocamento somente por meio de veículos automotores, sedentarismo e o pouco esforço em atividades comuns, pelas facilidades que a tecnologia oferece, faz com que as pessoas não se dediquem à prática de exercícios físicos e nem tenham uma alimentação saudável. Por isso a obesidade tem crescido de forma exponencial entre a população. 

Como melhorar a saúde mental?

A primeira e principal dica é procurar um médico. A ajuda desse profissional é fundamental para o tratamento de condições que afetam a saúde mental, além dos sintomas físicos.

Além disso, há outras dicas para ajudar:

  • alimentar-se de forma saudável;
  • praticar atividades físicas;
  • ter momentos de lazer: ver um filme, ler um livro, ter um hobby etc.;
  • sempre que possível, ter contato com a natureza;
  • dormir bem;
  • descansar sempre que sentir que o corpo estiver pedindo isso (se possível);
  • não hesitar e nem ter vergonha de buscar e pedir ajuda.

A saúde mental de médicos que estão na linha de frente da pandemia

Com a crescente onda da pandemia de COVID-19, os médicos diretamente ligados ao atendimento de pacientes infectados têm sofrido os impactos não somente em saúde física, mas também mental. 

Há diversos fatores já bem estabelecidos que envolvem o adoecimento mental de trabalhadores de saúde, dentre eles as cargas de trabalho, equipamentos e insumos insuficientes, aumento no caso de pessoas com a doença, superlotação de hospitais, medo de se contaminar  e contaminar entes queridos, dentre outros.

Por isso, profissionais da área de Psiquiatria estão cada vez mais preparados para ajudar seus colegas que estão na linha de frente no combate à Covid-19, assim como qualquer pessoa que apresente sintomas de algumas dessas doenças e que precise de ajuda para enfrentar o problema. 

Especialização em Psiquiatria

Para finalizar, não podemos deixar de falar sobre uma especialização para o médico que quer ampliar seus conhecimentos em Psiquiatria

É uma pós-graduação que o habilita a atender a demanda na área, prestando ajuda a adultos, crianças, adolescentes e, conforme abordamos neste artigo, seus próprios colegas que têm passado por momentos difíceis durante a pandemia. 

Com a crescente onda da pandemia de COVID-19, os profissionais de saúde diretamente ligados ao atendimento de pacientes infectados têm sofrido os impactos não somente em saúde física, mas também mental. 

Há diversos fatores já bem estabelecidos que envolvem o adoecimento mental de trabalhadores de saúde, dentre eles as cargas de trabalho, equipamentos e insumos insuficientes, aumento no caso de pessoas com a doença, superlotação de hospitais, medo de se contaminar  e contaminar entes queridos, dentre outros.

Por isso, profissionais da área de Psiquiatria estão cada vez mais preparados para ajudar seus colegas que estão na linha de frente no combate à Covid-19.